domingo

Todos nós , portadores de espadas , portadores de Luz *

Temos uma composição metafórica e nos envolvemos no termo mistério ...




O mistério contado e motivado pelas páginas de um livro antigo ou de um lançamento exageradamente bajulado .
Ficamos diante de portais imaginários , diante das visões em relato e também daquelas que foram silenciadas pelo medo do julgamento alheio.
Ficamos fascinados pelo filme que relata a batalha em nome da fé, mas a fé de verdade não promove nenhum tipo de batalha , nem guerra. Fé remove montanhas porque faz o pensamento virar ação, quando muito se deseja.Nada mais que isso ou mais difícil que isso.Além disso é dogma , manipulação.
Fé é sua e minha , cada qual faz a remoção das pedras da forma que desejar .Assim deveria ser , mas vejo ainda que não é.
Queremos sempre o altar, a glória, o traje em adornos , a postura . Esquecemos a alma no canto do templo, porque a alma diminui diante da preocupação excessiva com detalhes tangíveis e finitos.
A alma é a luz e a luz reside em nós .
Uns andam como eremitas e não mostram a luz aos demais , a guardam nas cavernas de sua mentalidade opaca e oca . Isolamento também não é sinal de maestria .Pode ser simplesmente síndrome .
Outros andam como verdadeiros Deuses, cavaleiros , damas , feiticeiras , portadores de espadas .
Me refiro às espadas reais , não de aço, bronze ou qualquer outro metal .
Espadas reais são feitas de componentes virtuosos , componentes que não podem ser vistos, apenas sentidos .
A luz é a base da espada e todo o resto envolve carisma, amor,paixao para tentar,autenticidade,compreensão,querer,contemplação e beleza, sorriso, beijo, abraços, mãos dadas, olhar ,amizade,colaboração,esperança e mais tantos outros quesitos indispensáveis para que a luz da base possa se expandir.
Todos nós somos portadores de espadas reais .
A espada real que quando colocada a favor do bem , não corta cabeças , mas agrupa idéias .
O que se prende apenas à espada de aço , tão bela , mas como objeto decorativo, se prende a este mundo baixo pautado em dogma e discurso cansativo.
Talvez a batalha exista sim e com espadas!
Mas a batalha é pela descoberta da essência e pela descoberta do que se é .Aliás , sondar o que se é , enfrentando os defeitos , é a mais intensa batalha , a mais necessária batalha .
Que as espadas sejam alinhadas não para defesa ou para intimidação, mas sim para estímulo a integração e força para boas idéias .
Se vibramos jutnos em um mesmo plano , que seja pelo menos como guerreiros da luz, ANJOS e nada mais !


sábado

Desculpa, mas não divido doces ...


Parecia molecagem.
Coisa de gente que não cresceu !
É até egoísmo se aprofundarmos a idéia ...
Mas chega a ser engraçado se compararmos o tamanho dela com o tamanho da questão .
Ninguém é totalmente adulto e nem sempre criança.
Aliás , a maioria deixou de ser criança ainda que isto seja necessário e santo.
Nesse aspecto ela era criança, muito criança e esse doce egoísmo que ela tem virou charme na idade dela .
Era como se a cesta guardasse o sabor sagrado .
Ela a tinha e não a largava em hipótese alguma .
Não deixava sequer expor além da tolha xadrez e avermelhada .
Fica estranho se pensarmos nisso em um contexto urbano, casual .
Mas existe ainda que oculto pelas paredes da cozinha !
Tinha também seu sagrado combustível dentro da bolsa.
Tinha no potinho que ficava no corredor da sala,
Tinha perdida no bolso da jaqueta que usou em dia de chuva.
Sempre tinha sua dose de doçura ou sua candura açucarada .
Era como se fosse um pouco de sí embalado em papel colorido e laminado .Mas , bem pouco , porque ela era de tamanha inconstância que agregar a um pacotinho toda sua essência seria disforme e falho.
Mais falho ainda , era a tentativa de se aproximar dela com um pedido simples.
Se tentasse , com certeza receberias um não impiedoso e sem vírgula ou ponto final.
Um não objeto direto.
Tentativa mais errônea é a de querer adocicar para ter uma parte . Essa então ela conhece de longe , só pelo jeito de olhar e a resposta ? seria o não sarcástico , com moldura doce, de quem fala com intensidade mas nas rédeas da sutileza.
Tentar pegar então é perigo .Risco de vida.
Tapa na mão e olhar fulminante , seguido da frase curta e enfática : Desculpa , mas não divido doces ...
Ela não oferecia doces também porque era estranha e isso pega mal !
Até negando ela é encantada , porque negação é melindre da alma doce...
Doce que nem ela , desde que não tenha de compartilhá-los (risos) .

Ela gostava de violinos mágicos ...



Todo mundo tem a composição certa .
A melodia do dia.
A nota musical que se ajusta ao tipo e tom .
Uma trilha sonora que verse sobre o dia , que embale os sonhos e os esclareça também.
Não seria simplesmente música.
Seria o desenho do pensamento , a história não contada .
Tudo descrito no éter , desenhado com fios de concentração ...
Seria a amplitude da alma , exposta no formato movimento.
Seria a vibração contida no coração , traduzida em acordes.
De tudo que ouvia , eram eles,os únicos capazes de deixá-la enaltecida , agraciada .
Eles faziam a pulsação mudar e a  mente serenar na lua grande vista da janela .
Talvez já os tivesse usado , tocado ou apenas contemplado em outros tempos .
Talvez nem mesmo os tenha visto , apenas ouvido o eco pela boca ancestral .
Mas hoje ela sabia da existência deles e a eles contemplava , direcionava os ouvidos em exatidão.
Os buscava nos sons mais modernos e encontrava sutilmente uma participação .
Gostava dos tons mais antigos porque ai sim,eles imperavam com total intensidade.
Fios ou cordas , o design , a mão artesã e mágica que no misto de movimentos concedia o diálogo entre ela, ele , o céu , as estrelas , a lua , o além daqui que reside lá...
Era mágico , eram mágicos .
Proporcionavam a valsa em sua imaginação.
A festa cigana ou a súplica da camponesa isolada , sentada na pedra do mar.
Vivia ainda com a impressão de música de sereia que mesmo sem pés , sabia dançar.
Ela gostava da música , da composição .
Gostava do efeito mágico que eles davam a qualquer canção.
Ela gostava de ouvir e sentir a oração dos violinos mágicos que quando manipulados por mãos de feiticeiro , a faziam flutuar e se pendurar de estrela a estrela , em um doce balanço de menina celeste .

sexta-feira

Hoje eu to apocalipse , apocaliptica ...



O desafio para mim é mansidão .
Tento e recorro a plataforma suave , mas tem dias em que a beira do vulcão e o olho do furacão impera .
Pego a sandália baixa e a roupa leve , mas o olhar aguçado com sua retina acobreada, foca o babado preto do vestido exposto e a mente pede a flutuação que só o salto alto pode conceder aos que ainda tem a terra como base. Íngreme e que tenta manter retidão.
Resolvi trocar a santidade de alguns dias pelas "diabez de um cotidiano mais denso.
Diabez saudável porque embeleza e combina cores.
Deslocando meu invólucro de alma , me pus a envolvê-lo em um tecido cintilante e leve .
Um tecido que mais parecia papel de bombom ,bombom que adoça mas pode guardar a cereja ou o licor e até mesmo a pimenta !
Depende sempre do paladar .
Os pés , se acolheram perfeitamente aos sapatos que concedem céu .
Um céu infernal, porque provoca pelo barulho quando bate no chão e pela forma que delineia a base da coluna de sustentação.
Não era céu que em mim estava, mas era uma fogueira serena e santa.
A chama angelical de uma vela em luz  .
Toda vela concede luz, não importa a cor .
Há luz e isso é fato abstrato diante do padrão de cera branca e paz branca.
Eu gosto de paz vermelha, violeta e lilás .
Paz que brilha independente da cor e do altar .
Gosto de paz , ainda que pareça tumulto e furacão.
Ou mesmo que pareça lava de vulcão .
Nessa fogueira antiga da inquisição , corações foram queimados e batem hoje , mais sonoros e adocicados de saber.
Era dia de desfazer as nuvens e criar um céu , chão avermelhado .
Um apocalipse !
Desconstrução e construção de novo paraíso , em mim e naquele que talvez em mim pensasse.
Paraíso reside em nós e quase sempre escondido pelo tabú de céu azul e anjo dourado.
Neste dia não cabia azul em mim, na minha sagrada inscrição .
Eu era apocalipse , apocalíptica !

O bummmm humano !



O bummm humano é o contratempo, contrasenso.
É a ebulição desenfreada dos nervos em nó . É então a concepção do nó .
Parece faísca que incendeia tecido .
A hemorragia das letras percorre cada poro e até por onde não se imagina sai verbo.
Sai composição desafinada que causa furor e implicância.
Desafinada ou fina demais a ponto de cortar laços .
o bummm humano é lâmina .
Somos nós a guilhotina da malha celeste .
Nós, que com ações explosivas , fazemos despencar a maçã da copa da árvore e a árvore perder raiz porque o solo fica podre , sem contenção.
O bumm humano é a guerra em território nacional.
Guerra civil, armada com o mais poderoso elemento : a palavra !
O bummm humano é o fantasma que ronda a alma de noite
O vampiro que suga a energia
A demolição da parede sólida de sonhos
Somos nós a 1ª , 2ª, 3ª , 4ª , todas as guerras mundias  no mundo individual e físico
Somos nós a bomba atômica.
Estamos empalhados apenas por ... pele .
Contidos somos , mas não contemos nada .

terça-feira

Não competir já é vencer .



Quem disse que é correria ?
Que falou que há linha de chegada ?
Apenas caminhe , porque mesmo em passos pautados e pausados , se avança
Mas, quem disse que há fim?
E quando você precisa recuar ? Também ganha .
Os radares de sonoridade vivem a esperar o tiro de largada e no entanto ficam estanques .
Não há tiro de largada .
Há ecos de passos acelerados e sem propósito algum .
Criam-se tantas pistas de corrida , que elas se encontram e os pés se embaraçam.
Há tropeços e nenhum avanço .
Muito menos vitórias .
Continue a caminhar , sereno, suave e tenha tempo de olhar a paisagem sem cronograma.
Apenas caminhe em silêncio e cantarole uma canção ...
Olhe para o lado e veja como existem pessoas dispostas a caminhar porque cansaram de correr e cansaram porque enxergaram um horizonte além de uma linha imaginária .
Os competidores ganham as placas e medalhas e elas ganham pó .
Eles no entanto , continuam a correr cegamente e pensam que "enxergam o horizonte ".Na verdade enxergam o limite , a barreira .
O caminhante vê o nascer do sol além da colina e contempla o pôr do sol também , mas porque esquece de correr.
O corredor vive tão acelarado que quando lembra de olhar pro céu , já escureceu !
A noite é linda , mas entender o processo que traz estrelas é ainda melhor.
Entender que há tempo ainda que ele não exista . Não do modo que determinamos .
Há tempo para viver tudo e não viver nada e ainda assim ser um grande vencedor .
O viver nada citado aqui , não é a isenção de conquistas , mas sim a conquista pela capacidade de recepção que nós temos .Podemos agir tranquilamente e criarmos .Podemos fazer barulho e criarmos só confusão .
O não competir já é vencer , porque permite adequação e o verdadeiro prêmio é a conquista de nós em nós mesmos .

sábado

Não é questão de fantasiar. É coisa de alma ...




Grandes livros e obras insistem em afirmar sobre nossas vidas anteriores e passadas ...
Nunca duvidei e até acho que de fato a gente carrega uma herança, uma trajetória impressa em nosso DNA físico e principalmente cósmico.
Não é possivel lembrarmos de coisas que  nunca vivemos , do modo que lembramos .
Bom, pelo menos eu lembro e sinto certas influências tempestivas .
De uma coisa eu tenho certeza, pela transgressão que sinto, que vivi já entre campos e colinas , ao lado do muro de pedra , talvez de um grande castelo ou mesmo de um muro de divisa.
Tenho certeza que essa mania de misturar aromas , texturas , elementos naturais que tenho , é uma herança de grandes camponesas ou talvez uma mania de doida que não se contenta com uma coisa e quer todas juntas .
É assim, eu gosto de realizar composições aromáticas .
A mesma mania reincide quando o quesito é paladar !
Misturar sabores e cores em um só prato. Doce e salgado na mesma tigela.
Além de tudo isso , há a mania de fazer de tudo que é momento meu , momento especial , um ritual .
O banho passa a ser ritual quando necessita de etapas de pré é pós.
O dormir , o acordar, o exercitar ...
Tudo é ritual .
Há ainda a mania de seduzir pelos dons .
Não há convencimento algum aqui, há apenas a boa utilização do que eu tenho de mais intenso . Uso bem e sempre .
Nada de besteira , não, não !
Me refiro ao sorriso .Não há magia maior .Não , que eu conheça .
É o sorriso que me faz e faz acontecer .Qualquer coisa !
Claro, que como todas as mulheres eu uso das minhas simpatias .
Todas elas eu uso e não me refiro à simpatias que estamos acostumados a ver em revistas de salão.
Simpatia nada mais é que uma forma de fazer a coisa melhor.
Sim, a coisa mais dedicada .Simpatia é concentrar energias. Não é em absoluto essa coisa de escrever nome em papéis e deixar sob a luz da lua .
Minhas simpatias são sutis e acredito que sejam até elementos de proporcionar maior beleza que qualquer outra coisa .
Receita de avó , sabe?
Passar óleo de amêndoas com canela na pele pra dar brilho e marcar presença , deixar pétalas na água e lavar o rosto para purificar a pele , abrir os poros, esfregar noz moscada nas mãos para fechar grandes negócios , para lembrar que o bom aperto de mão a gente sente...
E os chás ? ahh tem eles também.
O bom e velho boldo para dores estomacais , chá de casca de maçã para dormir ...
Pão , vinho, frutas , grãos e cereais em cima da mesa , porque proporciona fartura e saúde .
Cristal na janela para criar arco íris , espelho na entrada para ter certeza que se está bem vestida para a saída , sino dos ventos para relaxar e sentir o movimento silencioso do universo , pelo vento.
Gnomo, fada e sapos por todo jardim : protetores .
Velas , velas aromáticas para meditar e para amar ...
Muita prata nos dedos e argolas nas orelhas : beleza e adorno = Moldura .
É preciso prata em casa que prefere a cor da lua.Coisa de geração.
São tantas formas e tantos meios de realizar a alma .
Minha alma precisa dessa fantasia .
Em outros tempos , talvez eu já tivesse virado é lenha de fogueira , por todas estas manias !
Será que é por isso que toda vez que vejo uma grande fogueira observo distante, apesar de encantada pelas chamas ?
Realmente não é questão de fantasiar , é só coisa de alma velha, de uma velha alma em templo de menina . Tudo que citei ,tenho certeza que faz bem, só não sei mesmo até hoje , onde deixei o chapeú pontiagudo .Sinto falta dele em dias de sol ...


Não busco a sorte , nem respostas .Busco a mim que ficou lá !


Os artifícios são tantos , as formas, Deuses, orações, mantras.
O tarot, os buzios, a bola de cristal e até o biscoito da sorte depois do jantar encomendado.
Tudo para obtenção de respostas , previsão do futuro .
Acho fantástica a motivação que temos de tentar adivinhar o amanhã e mais fantástica ainda, os mecanismos que tentamos usar.
O Ser Humano é pautado de ilusões e precisa delas .
Cada um segue em sua crença e a busca incessantemente , silenciosamente ou com total estardalhaço em grandes catedrais .
Me perguntaram uma vez : " Você vê Deus nos Templos? "
Respondi sem hesitar : Não.
E respondi não , porque não consigo ver Deus fechado e em um único recinto .
Deus não tem imediatos, nem mesmo secretários .
Deus tem a sí e nós o temos .A mim , isso basta !
O único templo em que o vejo é o meu . O meu templo físico , sustentado por colunas ósseas.
O único templo em que o vejo é o templo da flor. O pé de flor que nasce no meu canteiro, sustentado por raízes e sem medo de sentir a terra .
É a terra para a flor que faz crescer e é a Terra para nós que promove reciclagem e aprendizado.
Não busco sorte em adivinhas , nem em conchas do mar, nem o terço sei rezar .
Minhas orações eu mesma faço , antes, durante, depois de dormir, acordar, caminhar , falar.
Estou sempre em oração .A minha oração que com certeza absoluta chega até Ele, é exatamente a forma e a composição de todo esse templo universo . Emissão e recepção .
Isso é Deus .
Não quero saber do futuro, não busco a sorte .
Procuro entender talvez o passado que nunca foi , mas ainda é presente em nós e até mesmo já se tornou futuro , porque cada ação feita , nos forma , forma o que somos no agora .
Não há respostas fora , mas aqui, em mim , em você e nele e em tantos outros que são embalados no cotidiano extenso de ilusões e suposições do que tudo é.
O que eu busco é sempre a mim, porque buscando a mim , busco a Ele e encontro-me total e plena , sem censuras e cheia de defeitos como devo ser e sou.
Sou incompleta e completa porque reconheço o que me falta e tudo aquilo que já tenho e guardo em carisma.
As respostas não existem !
O que existe são analogias, sempre analogias e metáforas .
A bola de cristal é linda , mas me serve de luminária em noite de relaxamento .
As cartas do tarot não adivinham o futuro, mas te dão uma condição do que foi e és , se souber interpretá-las em conexão com tuas raízes celestes !
Búzios? são conchinhas que contam a história do mar .
O terço arrebenta se você não cuidar da corda e a corda é o que nos mantém . As contas nossas ações .Eis analogia . Terço pra mim é representação e jamais o usaria em promessas ou para "pagar' pecados .
Não faço promessas .Eu erro e tento consertar . Ás vezes sim, às vezes não. Tem hora que dá preguiça sim e dá vontade de deixar tudo como exatamente está.Porque nunca fica do jeito que se deixa , mas se move e justifica ao longo das datas. Ação e reação é algo natural.
Cometo pecados capitais porque eu estou ainda por aqui e não me arrependo deles , afinal , arrependimento é chicotear a alma e eu não faço isso mesmo !
Meus pecados em equilíbrio me concedem a prória santidade .Não há nada 100% puro , nem 100% obscuro . Há gente e gente erra, aprende ...
Minha iluminação não é dita pela toalha da mesa com santos e nem mesmo por altares .
Minha iluminação é feita por mim, porque busco em mim e buscando em mim, busco além .
Há tanto a descobrir por aqui , por isso não tento ir pra lá .
Embora o meu lá é onde sempre estou .
Não busco sorte , porque sorte é piada .
Piada porque sorte não existe .
O que existe é uma lei que promove a realização quando você consegue , com muito esforço e dedicação conquistar algo. Sorte é mérito e mérito é concentração em algo contido em você e além de você.
Adoro as ciganas verdadeiras , mas não são as linhas da minha mão que podem me expor todo o resto .São as minhas mãos em ação que constrõem toda uma vida e escreve essa história que para mim é sorte , porque tem esforço.Mérito porque divido e dividir é coisa de Deus , é necessária a mim e talvez , cada palavra aqui , te acrescente um pouco de lá, daqui e seja necessária a tí ou não.
Realmente eu não busco a sorte e nem quero saber de lá ...



sexta-feira

Em luz agora , o escritor da Intensidade !



"Todos os dias têm a sua história, um só minuto levaria anos a contar, o mínimo gesto, o descasque miudinho duma palavra, duma sílaba, dum som, para já não falar dos pensamentos, que é coisa de muito estofo, pensar no que se pensa, ou pensou, ou está pensando, e que pensamento é esse que pensa o outro pensamento, não acabaríamos nunca mais." (José Saramago )

Hoje eu senti um vento tão forte ao atravessar a rua , vento diferente , que me despenteou , me fez estremecer e desorganizar .
Hoje eu senti um aperto , uma dor na nuca tão forte que não sabia explicar ...
Fiquei assim até ler a tela diante de mim que relatava a morte do grande escritor da intensidade .Era o vento de Saramago que me dizia : parti!
Perdemos José Saramago, aquele que por suas frases me fazia entender até a tripa da humanidade cega !
Sim, a tripa , porque ele destrinchava o conceito , revisava o suposto valor de moral que temos e principalmente arrebatava a imposição .
Posso dizer sim, que perdi um dos meus olhos literários e que não só eu , mas todos nós , ainda que não assumidos estamos "ensaiando demais " a cegueira .
Nos recusamos a ver e ele viu , do seu modo, mas viu pleno.
Senti a perda, apesar da distância fisica , senti porque ele estava e estará em mim pelas letras e entrelinhas .
Saramago invadiu minha vida aos 17 anos e nunca mais saiu ...
Saramago me fez reflexão "In Nomine Dei", me fez querer ver quando vi o ensaio sobre a cegueira ...
Não há palavras suficientes para expressar o vazio , a página em branco que ficou na minha estante literária da alma .
Hoje mais do que nunca sei que a escrita tem poder e que pode sacudir o Homem .
Seu jeito direto , sem pausar pelo ponto ou vírgula me inspira a vida .Vida é direta , sem gramática .
Assim ele a  fez .
Sua polêmica para uns , mas paixão para outros, moveu tanto meus olhares diante da sociedade e de suas relações , mas , na mesma proporção desviou os olhos dos que se recusaram e recusam a ver.
Saramago se foi do globo azulado, mas agora escreve nas linhas estreladas do Universo , inspirando os que o tinham na alma como eu ...


quinta-feira

A Deusa da Loucura




"Poderia, acaso, a deusa Loucura dar epíteto mais digno aos seus adoradores,aos iniciados nos seus mistérios? Acompanhada, pois, e servida fielmente por esse séquito de criados, estendo o meu domínio sobre todas as coisas, e até os monarcas mais absolutos estão submetidos ao meu império. Já conheceis, portanto, o meu nascimento, a minha educação e a minha corte..."

Erasmo de Rotterdam - Elogio da Loucura *


Falar da loucura é falar de nós mesmos insanos e não assumidos .
Porque não assumir o nosso distúrbio ? A nossa mudança tempestiva e deslocada?
O Homem está aqui pela Loucura e por ela foi santificado, consagrado Homem .
A Loucura é o padrão ofuscado pela normalidade desconexa .
Um Ser normal vive em um quadrado sem ultrapassar as medidas , mas ninguém disse que a vida é quadrada !
Aliás não se vive do que dizem, vive-se do que ninguém fala , mas com certeza existe .
A Loucura é exatamente este silêncio interno que muitas vezes grita e não é ouvido pelo calar da sanidade errônea.
Ela promove e enobrece a todas as figuras , ainda que elas relutem em dizer que são normais ou que são apenas ... criativas .
Preferem dizer da "Vossa loucura" e não da própria loucura, mas o louco não cita a insanidade alheia e sim expande a sua com força, através das ações e frases decompostas e opostas aos olhos viciados no formatado e alinhamento justificado .
A loucura reside onde há curvas e de curvas é feita .
A Deusa da Loucura nos consome quando não assumimos sua presença, ainda que minimamente . Consome , porque brigar e não assumir o próprio EU é se anular .
O EU é aquele consagrado quando reconhece o poder da loucura bem orientada .
Não há loucura em desvio .
Toda loucura é destreza da alma, porque só a loucura faz descobertas .
O que descobre algo e descobre a sí , faz da loucura sua rainha , sua guia , sua luz, ainda que nem desconfie disso.
A Deusa da loucura é idolatrada no altar ego .
A Deusa da loucura proclama aos ouvidos atentos e faz das mãos dispostas , grandes artesãs . Faz ainda da voz , veículo de comunicação celeste e faz do corpo orientado , fusão .
Que a loucura não seja perdoada porque não cometeu erros nem enganos .
Que a loucura seja proclamada aos ventos e que estes alcancem aqueles que dormem na própria apatia .



quarta-feira

A porta de acesso ...



Existe uma distância entre o dito e a ação.O ato e a palavra .O passo e a pausa.
Uma parede de tijolos ou mesmo um tecido leve dividindo .
Existe ainda janela com cortina , escadaria arredondada que faz parecer distante , mas é tão próximo .
O que basta ? Apenas subir , mas ainda assim subir não basta .
Você pode dar passos , mas pode escolher entre passos perdidos ou passos direcionados a algum lugar .
O verbo fica na rede e a rede balança com o tempo disponível .
O local continua aberto e cheio de luz, mas continua lá. Nem tão longe , nem tão perto, apenas fica lá oposto ao padrão e a indicação da seta .
Não há mapa , nem sinalização. Para chegar lá é preciso intuição e vontade . Certo tato, olfato e jeito de sentir o paladar.
Lá é aqui ainda que não dito .O lá não pode ser dito porque só a proximidade dá condição de acesso.
Proximidade essa sem trancas e "motivos cadeados".Parece que existem grades , mas o que existe na verdade é decoração.Fluxo de energia que percorre e que faz manter o local, lá, vivo, iluminado, ainda que aparente certa penumbra .
Uma floresta a noite é escura , mas não deixa de ter beleza , porque a beleza existe lá e só caminhando até lá você a pode ver e sentir, do contrário terá paisagem e paisagem sem poema fica empoeirada. A ida até lá é o que faz da paisagem o próprio poema e do poema a descrição da paisagem.
A porta de acesso nem mesmo é porta , parece portal mas ainda assim não é .
A porta de acesso é tão acessível e tão forte que apesar de estremecer com um vento forte , não fecha .Pode encostar , mas não fecha , nunca .
Não tem fechadura, nem chave , não tem senha , código , tem apenas acesso e acesso livre aos que desejam entrar.Basta entrar e pronto .
O que muda e o que caracteriza certa dificuldade não é a ida até lá, nem mesmo a entrada e sim a "Permanência" .Permanecer lá exige destreza, cuidado, uma dose certa de suavidade e estímulo , de intensidade e cautela.
Permanência exige mais coragem do que a própria ida .
Uma vez lá, você modifica o meio e o meio modifica você .Essa é a teoria do interacionismo .
Você cria uma responsabilidade e talvez vire até guardião de lá , daqui , ainda que nem tenha asas .
Lá , aqui , fica o meu coração , sem qualquer dificuldade imposta .
Apenas acesso e nada mais , pode parecer inacessível, mas não é .É apenas velado.



terça-feira

Uma alegria concentrada .



Observando a festa da copa do mundo com atenção é nítido entender a quantidade de alegria e força interna que se tem .
Todo mundo fica estrelado , piadista, disposto, oposto a rotina.
Todo mundo entra na mesma engrenagem para fazer girar o globo e os pensamentos que giram o globo fazem girar a bola .
Tem força , impulso e colaboração .Tem musica o tempo todo, respeito ao hino e orgulho na nação.
A alegria concentrada explode em palavras , grito e dança .
O pensamento, a reza, a figa no dedo da mão. Exercício de fé puro e composto.
É nesta hora que eu vejo irmãos , porque se abraçam sem qualquer protocolo ou receio.
Se abraçam independente de ser só por educação.
A parte estranha dessa estranha manobra esportiva  (porque a mesma onda do estádio, ultrapassa países e com sua força nos empurra a torcer ) é que apenas em um período se vê a capacidade que pode ser usada em absolutamente todos os momentos da vida . Desde o bom bate papo na calçada até o trabalho em grupo dentro de uma universidade . A mesma mão que te puxa para torcer na copa , também pode te puxar no cotidiano para dar força . Se assim quiser e desejar .
A mesma vibração que sobe ao éter em tempo de copa pode ser contínua em tempos de necessidade . Afinal, necessidades existem além dos eventos e permanecem ao término deles.
Não é questão de criticar , mas sim de impulsionar e motivar a expnasão de vibração, de motivar esse pensamento positivo que invade a alma de todos os seres viventes neste estádio universo.
A vida é um jogo sim , embora não deva ser tratada como tal, já que nunca há perdedores de fato . Existe a ordem dos contrários , mas até o contrariado ganha algo, nem que seja experiência e todos, sem exceção foram de sujeitos vencedores a sujeitos contrariados. Perdedores nunca , jogadores também não , apenas agentes do movimento de ordem e desordem, evolução e regressão .
A alegria concentrada que percebo durante este período é a mesma que desejo todos os dias.
Imagine acordar sempre acreditando que terá ajuda , que vencerá o desafio , que poderá gritar de alegria ou chorar de emoção independente de quem esteja a sua frente ?
Fantástico mesmo é crer que essa alegria concentrada estremece as linhas e quadrantes deste Universo e o torna mais vibrante , mais cheio de amor .
Como embalagens provisórias vivemos , mas por medo do estrago , permanecemos congelados sem expor todo o conteúdo ...

segunda-feira

A minha timidez implicita .



Parece não ser o que sou, mas ainda assim é.
Entre todas as palavras que digo, sorrisos que divido e frases ousadas que solto , me escondo em um mundo velado que guarda alguns medos e melodias .
Medos bons porque quando se tem medo é porque ainda não se vivenciou tudo .Essa falta de todas as vivências é que concede o ponto seguinte desta linha bordada e dourada que contorna a janela ...
Me lanço em conversas apaixonadas , mas fico entre os muros do não saber .Nem sempre sei o que dizer e por isso às vezes calo . Meu calar é sinal de doçura e agradecimento porque meu calar é reflexão e diante do belo , nem sempre é preciso resposta .Basta fitar ...
Ouço atentamente cada declaração dita e com suspiros . Não nego isso de modo algum!
Sempre digo que sentir é o que mais importa e sendo uma menina mulher , sentir é de fato o que importa.
Me permito a tamanhas ilusões , ainda que elas não sejam tangíveis . Me permito porque sei encontrar tudo que quero no mundo onírico e trazer de lá uma virtude a mais de aplicação cotidiana.
Deitar a cabeça no travesseio e fechar os olhos não me basta . Gosto de fechar os olhos e desejar o que foi dito e assim faço.
O formigar na ponta dos dedos , um desligamento estranho que acontece entre dormir e permanecer acordada é o mais gostoso de sentir.
Você entende e vivencia a transição para algo maior .
Nada pode ser mais significativo que viajar para dentro de sí ou pelo universo criado e recriado .
Entre o desejo de realizar o dito e o descansar profundo , fica no éter o tom rosa que emana todo e qualquer amor incondicional . Amor esse que leva e traz qualquer pessoa disposta a se desfazer da realidade dura . Não por fuga , porque fugir é inútil , mas por possuir um poder de ampliação e elevação tão grande que deve com destreza usar.
Encontro então os laços feitos, quando eles não me encontram antes e lá permanecem a cuidar de mim , ainda que escondidos em tecidos ...
A minha timidez implícita que muitos pensam não existir , mas existe , é o elemento que faz disso tudo o grande acontecimento . Não poderia ser elemento de mistério, se fosse 100% doação.
Mostramos as partes , mas o contido é que faz a alquimia acontecer .
O recipiente me guarda inteira , mas me mostra fragmentada  porque assim deve ser.
Totalidade é para momentos encantados , para os meus contos de fadas reservados , para os meus colaboradores das estrelas , para meus anjos alados e até mesmo para os estranhos encapuzados  que surgem em noite de lua e só eu posso ver.
A minha timidez implícita é a pedra preciosa de um colar celeste e esta brilha quando quer guiar para perto , mas cega em luz quando necessita afastar.
A minha timidez implícita é a carruagem das minhas viagens holísticas e das visões premiadas .
Essa mesma timidez me faz e desfaz, me retira e eleva diante de mim , transparente e total.
Ela me faz aparecer na janela , mas manter um lado atrás da cortina .
Ela encanta aqueles que entendem o quanto existe além destas palavras e o quanto é fácil chegar em minha porta ....


domingo

Viva a sua narrativa , ainda que seja um conto de fadas !



A atualidade exige de nós sempre a razão, as evidências , o concreto , o finito .
Impossível acreditar em algo plano como certo e que o certo é sempre o certo.
Viver em plenitude , penso eu , é saber sentir a intensidade momentânea , a temperatura da alma do outro, ainda que exista a suposta distância.
Será que não estamos bem ao lado e apenas não enxergamos ?
Penso intensamente que somos cegos universais .Cegos .
Buscamos um livro na estante para desligar do mundo e vivenciar a vida de um outro alguém .
Há quem veja a novela , outros preferem o teatro . Sempre pela necessidade da narrativa . Pena que se busca sempre a narrativa alheia .
Onde está a sua narrativa ?
A nossa narrativa?
O seu conto de fadas,
O nosso conto de fadas ?
A aventura, a batalha , a viagem ao outro mundo ou dimensão?
Não está em livro algum . Está em tí , em mim, em todos nós .
Podemos deixar o papel de leitores para vivenciar algo mais intenso , que é ser o próprio ator .
Nós somos os roteiristas , o ensaio que consiste já na apresentação sem texto pronto.
Viver é improviso !
Não precisa convite , nem roupa de gala .
É preciso apenas permitir-se a sentir emoções , não importando quais sejam elas .
Vida não é só determinada pelo horário comercial . Vida na verdade reside além disso.
Reside na narrativa oculta da alma .Nas entrelinhas do silêncio , que pode estar cheio de som musicado , de voz doce e gritos escancarados!
Eu particularmente não leio conto de fadas e isso desde criança .
Fiquei no entorno dos filósofos pela mão de meu pai.
Fiquei diante dos debates de nadas nadificantes e de ser ou não ser, apaixonada.
Isso não tornou-me fria, nem mesmo uma louca desalinhada , culta e chata.
Tornou-me agente de narrativas autênticas e que algumas vezes tentaram se esconder pela exigência e influência padrão de permanecer apenas na razão.
Tentativa falha ! 
Minha narrativa resistiu e apesar de não ter lido a fundo os famosos contos de fadas eu me torno princesa, rainha , vilã quando assim desejo. Deixo ainda que me levem de cavalo branco e me resgatem da torre , com enorme alegria .
Tenho me entregado a essa nostalgia lilás de extrair vida além  da rotina e confesso estar amando demais tudo isso . Recomendo por vontade e pela necessidade que vejo no mundo.
Um mundo cinza, precisa urgentemente de uma paleta de cores ...
Hoje tenho carruagem , torre , não tenho medo de beijar os sapos , nem de enfrentar espadas .
Comparando com nossa rotina , não muda muito . São metáforas e metáforas são mapas que quando bem estudadas , nos revelam grandes segredos !
Não podemos deixar de ler o outro, mas não podemos em hipótese alguma, anular as nossas histórias .
Devemos sim , encarar personagens .
Quando deixamos  isso acontecer , acontecemos de fato.
Acontecemos de forma mágica e realizamos a magia de experimentar todas as dimensões presentes em um Ser .
Descobrimos mais onde pensamos que existe menos . As melhores histórias estão dentro de nós e acabam sendo estimuladas pelo outro .
Cabe sempre a nós o envolvimento nessa troca de energia .
Isso nos engrandece em sorrisos porque nos sentimos especiais e principalmente porque nos conectamos ao outro e penso que conexão é o que mais falta neste globo azulado de almas ...
Não são os fios , apesar da modernidade , que nos conectam ,é a mente .
A mente que estimula o coração e o coração que nos faz sentir vida , a vida da outra vida .
Viver a narrativa é a forma mais completa de viver as paisagens contidas em nós e assim conhecer o mundo inteiro , ainda que nem se tire os pés do chão !
Com tudo isso, ganhei até um lobo , não sei se como chapeuzinho ou como princesa na torre em conto trocado , correndo perigo . Tudo bem, desde que eu "ainda" não seja a vovó.

sábado

Tinha cheiro de canela ...




 
Uma tarde qualquer, de um dia qualquer , mas entre pessoas especiais .
O cheiro de canela ultrapassava o corredor  curto.
Despertava as sensações olfativas mais inusitadas e fazia a memória estremecer .
Estremecer de saudade e estremecer pela vontade da degustação.
A tarde passava embalada pelo som da torcida e a torcida distante para ela nem existia .
Preferia ficar ali, entre a tela que era seu universo de quebra espacial .
Era cada vez mais a afirmação de que cada um , ainda que no mesmo universo, tem o seu .
Uns que se enrolam com a bola , outros que ficam com suas histórias .
Era um típico sábado atípico de ser. Atípico porque tinha o cheiro de canela !
A cada ventar o cheiro vinha , forte e suave na mesma energia,
Se prendia nos cabelos vermelhos, na pele e de alguma forma já parecia até refletir no copo de água .
Ela lembrou das viagens em prol das especiarias , da cultura que faz da canela , o elemento de ousadia  e por que não dizer filosofia ?
Misturada ao óleo de amêndoa  e espalhada na pele ,vira elemento sedutor .Propício então, neste suposto dia de amor.
No doce, vira o toque final, a parte que chama , que aquece .
O gostinho que fica na ponta da língua , no canto da boca .
Canela carrega consigo ainda, o estigma da inspiração .Há quem diga que canela perto de onde se escreve ajuda a transcender , a soltar a alma , elevar idéias e recolhê-las em palavras .
Era a canela que a envolvia e a fazia insistir em tentar, daquele momento uma nova história tirar.
Já sentiu a canela na palma das mãos?
Não suja , mas deixa a marca invísível que atrai ou repele os padrões mais formatados.
Canela é sinal de tradição. Lembra o doce da avó, lembra uma festa da estação.
Canela é desejo oriental , mas especialmente naquele momento , fazia parte apenas de um delicioso creme de banana preparado por sua mãe , que teve que cutucá-la três vezes para dizer que estava pronto.
Ela ficou em transe , entre as idéias e o cheiro motivador ... 
Parecia abelha , cheirando flor !

Proclamo o amor além das datas ...



Porque separar uma data para falar de amor?
Eu proclamo o amor toda hora e todo dia .
Porque concentrar o amor em uma caixa, embalagem prateada ou dourada ou mesmo mensurá-lo pelo preço ?
Quanto mais alto , maior o amor?
Eu proclamo o amor pela mão dada, pelos olhos que contemplam , pelo abraço que acolhe , pelo carinho que enobrece e acalma .
Por que esquecer as coisas em uma data apenas para cumpri o protocolo?
O amor resolve tudo , não adia .
Eu proclamo o amor no agora , que foi ontem e que também será meu amanhã.
Proclamo o amor independente de ter um único alguém em foco.
O amor é extenso e embora seja dedicado a um, deve ser para todos.
Por que ter uma noite, um dia, uma hora  , especial, se podemos fazer de todos os dias, momentos e horas , especiais ?
Quem ama , ama sempre e não precisa provar isso em uma única data .
Basta apenas motivar a presença do amor na alma , pelos gestos simples , porque os gestos simples é que nos dão contorno. Todos os demais são adereços .
Eu proclamo o amor até pela ausência e pela saudade , porque ninguém sente falta do que faz mal.
Saudade é sinal de que se tem um valioso tesouro , seguro no templo , exposto e velado no altar do coração.
Não me importa a vitrine , nem a fita vermelha da caixa.
Importa a presença da outra alma no meu Universo .
O meu Universo é o verso que compõe o poema do outro e o poema do outro compõe minha trajetória .
Proclamo o amor porque é ele em absoluto que com sua química , movimenta e dá vida ao Universo .
Cheguei aqui por amor e por amor permaneci .
Não posso jamais , durante minha jornada , conter o amor em uma data .
Proclamo o amor além dos dias , da vida e das dimensões ...
O amor tá na palma da mão, trançado entrelinhas e entre as linhas .
O amor tá na retina daquele que vê e do que é observado.
Tá no lábio , no sorriso ampliado.
O amor aparentemente cabe entre dois braços .
Proclamo o amor que desce do éter ao físico e do físico se expande .
Proclamo o amor sem números , sem vitrine.
Porque amor é feito em silêncio.
Amor é bem e nenhum bem de verdade  (já disse alguém) faz barulho .
O bem acontece , o amor é acontecimento diário dos corações que entendem a vida além de dois simples compassos.

sexta-feira

Fica frio, mas continua a ser verão ....


A temperatura baixa e deixa a pele arrepiada , no vento, na gota de água gelada ...
A temperatura enrola a gente na lã , nos esconde pela meia , pela manga e mesmo um chapéu .
A temperatura também nos isola do externo porque é no contido que se tem calor ainda que externamente possa se estar em meio à multidões .
A temperatura muda e nos muda . Uns mais dispostos , outros nem tanto. Disposição é tempo, temporal .
Caminhamos para esquentar , paramos para fugir da gota d´agua que cai , gelada , de repente , em cima da gente !
Mas a temperatura não é só o tempo em sí , não é só mudança climática mensurável e pautada em ciência e gráfico. Temperatura é ciclo e ciclo somos nós .Somos o próprio tempo em escala menor , um fragmento de inverno, verão , primavera e outono.
Acredito até que agora temos as meias estações que podem ser chamadas inverão ou outonera .Não sabemos mais o que vestir porque temos que vestir tudo .Não sabemos mais se seguimos de guarda chuva ou de óculos de sol .
De sapato fechado ou com os pés espalmados em uma trançada sandália rasteira .
O tempo está atemporal .
O tempo é confusão serena , porque sutilmente altera a rotina desde o acordar até o adormecer.
Antes , adormecidos sem o peso do tecido para poder sentir o vento.Agora escondidos pela penumbra da manta para ficarmos acolhidos. Liberdade e prisão que juntas , nesse contexto concedem conforto , descanso , adaptação.
Fica frio sim, mas tá calor aqui dentro!
Calor porque tem movimento , tem palpitação ...
É frio , só é frio por causa da estação .
Nem diante da necessidade , ainda que se pense há frieza.
A vida é verão porque a vida é a própria pulsação .
É frio como a vela apagada , mas é calor porque ela sempre se acende e pressente o vento .Se intensifica ou diminui. Tanto faz !
Dança nas estações e ainda assim reluz sábia  e guia .
A divisão da chama também é estação .
Tem parte fria e parte quente de provocação.
Fica frio , mas ainda assim continua a ser verão ...